Ser Criança...

 

Lembro-me de acordar e ouvir os passarinhos lá fora...de vestir um vestidinho e tomar o pequeno-almoço no quintal por entre todas aquelas arvores....demorava horas a acabar o pão e o leite achocolatado. Havia vezes que nem acabava, não havia tempo.

 

As mil e uma brincadeiras que faziamos naquela casa tão grande, o telefone que a minha amiga ia buscar a casa (um telefone "a sério", como nós diziamos, telefone que ela desligava da tomada e ficavam sem comunicações), os tachinhos e bonecas, roupinhas, completas divisões de uma casa. A imaginação estava sempre no auge. E quando acabavamos? Iamos para a rua, literalmente, brincar com os rapazes. Jogar futebol,  jogar ás escondidas...e o dia ia avançando. Sem adultos por perto porque era mais do que seguro brincar naquela rua...

Ao final da tarde quando a minha mãe me chamava, entrava 90% das vezes em casa com os joelhos que mais pareciam "o mapa de portugal" como o meu pai dizia. Mas depois de um banho, de um bocadinho de betadine(sim porque ainda sou do tempo que não existia Bepanthene Feridas) e uma sessão de desenhos animados antes do jantar recompunha-se tudo...

Sim, eu brinquei na rua, caí no asfalto, brinquei com brinquedos feitos por nós, com batons e roupas roubados ás nossas mães, partilhei bolos de arroz com o resto dos meninos da rua, bebi da mesma garrafa do que eles, sentei-me no meio da estrada para brincar e nenhum carro me atropelou, tomei banho dentro de uma bacia grande ao qual ficava satisfeitissima e que dizia que era a minha piscina...

Naquela rua, todos diziam que eu era a menina rica que tinha tudo em casa, mas os meus pais ensinaram-me a lei da amizade e da liberdade. Foi naquela rua que cresci, que fui feliz, que nunca me senti sozinha e nunca tive medo.

A loirinha de hoje só cresceu porque  a criança daquela altura continua aqui...

 

Feliz Dia Mundial da Criança...

 

 

publicado por voosdeborboleta às 14:03 | link do post